Deus pede estrita conta de meu tempo.
E eu vou do meu tempo, dar-lhe conta.
Mas, como dar, sem tempo, tanta conta.
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?
Para dar minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado, e não fiz conta.
Não quis, sobrando tempo, fazer conta.
Hoje, quero acertar conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passatempo.
Cuidai, enquanto é tempo, em vossa conta!
Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,
Quando o tempo chegar, de prestar conta
Chorarão, como eu, o não ter tempo...



"Frei Antônio das Chagas"
(Por volta do Século XVII.)

 











Voltar para Reflexão 1


|| Home Page || Menu Principal || Menu das Poesias ||



Envie esta Página para um Amigo(a)!
Clique na imagem abaixo.



Get a MIDI Plug-in






Revisão de texto: Iza / Imagem: WebShots/Webmaster & Design by Iraima Bagni
Copyright © 1999 *Laur@´s Poesias®. Todos os direitos reservados.
Editada em: 18/08/2000