Lourdes Ferreira Motta



Não ofereci o que merecias,
não vi a vida como a vias,
não alcancei o que pretendias.

Chegaste sem nada perguntar.
É difícil a arte de amar ?
Tomaste-me como desejavas.
Pela vida afora me ostentastes,
Como troféu que conquistastes,
não importando o quanto agradastes.

Já findou mais um dia;
infinitos, após a ida;
manhãs e manhãs,
quentes e frias,
alternando a dor
e também alegria;
a mim , por herança,
deixaste para a vida
a família querida.

Irmanados neste sentimento,
arestas aparadas, longo momento,
sinto que perdoas; esvai o sofrimento.
Aconchegados, todos, neste acalanto,
caminho, como todos para o fim;
Quisera encontrar para mim,
para eterno repouso, maciez de cetim.
Maciez, onde encontrarei ?
A quem, na esperança pedirei ?
Aos braços de Jesus, meu rei.
 


(Repasse com os devidos créditos)









Laur@´s Poesias

 

Voltar para Poesias 3




|| Home Page || Menu Principal || Menu das Poesias ||




 

Gostou desta Página?
Recomende para um Amigo!
CLIQUE NA IMAGEM PARA RECOMENDAR A PÁGINA!

 

Get a MIDI Plug-in


Revisão de texto: Iza/ Imagem:Webshots
Webmaster  Iraima Bagni/ Design by Suzana Motta/ Niterói/RJ/Brasil
 Copyright © 1999/2003 *Laur@´s Poesias®.Todos os direitos reservados.

Editada em: 12/04/2003