Solitário
Almir Bastos



Não me julgues.
Não tentes entender-me.
Sou como o vento
Não tenho destino.
Apenas passo...
Aproveita a brisa !

Não me prendas,
Não me possuas.
Sou como água,
Se preso, evaporo.
Mate apenas tua sede !

Não tentes guardar-me.
Não me aprisiones.
Sou como as flores,
Colhido, feneço.
Guarda-me o perfume !

Não me descrevas.
Não me modifiques.
Sou como um sonho,
Uma Ilusão.

Não me acompanhes,
Não tentes seguir-me!
Sou como um cometa, 
solitário.
Apenas admira-me...
Neste momento, então,
Serei Poeta.
Teu Poeta.


(Repasse com os devidos créditos)







*Laur@´s Poesias



Voltar para Poesias 3


|| Home Page || Menu Principal || Menu das Poesias ||




Gostou desta Página?
Recomende para um Amigo!
CLIQUE NA IMAGEM PARA RECOMENDAR A PÁGINA!




Get a MIDI Plug-in

 


  Revisão de Texto: IZA / Imagem: Fotópolis / Webmaster & Design Iraima Bagni
 Copyright © 1999 / *Laur@´s Poesias® / Todos os direitos reservados.
Editada em:03/03/2002