Roberto Selhorst Junior

 

Anoitece,
então a primeira estrela surge no céu,
ela tem o seu nome.

Contemplo-a,
e tão logo surgem outras
eu a perco no infinito.

Grito seu nome na esperança de ouvi-la,
nada...só se ouve o silêncio, sei que ainda está lá.

Mas quando eu a encontro,
as outras estrelas antes tão lindas
perdem o brilho e vejo apenas você
na imensidão de um céu escuro.

De repente,
invade meus olhos o brilho de sua face
estampada na lua cheia.
Sua beleza me entorpece,
adormeço...

Acordo preocupado,
não vejo as estrelas, não vejo a lua,
não vejo você, me entristeço,
infelizmente amanheceu.

(Repasse com os devidos créditos)
 

 







*Laur@´s Poesias



Voltar para Poesias 3



|| Home Page || Menu Principal || Menu das Poesias ||



 

Gostou desta Página?
Recomende para um Amigo!
CLIQUE NA IMAGEM PARA RECOMENDAR A PÁGINA!



 



Get a MIDI Plug-in
 


Créditos: Revisão de Texto: IZA / Imagem: WebShots
Webmaster & Design Iraima Bagni  Copyright © 1999 / *Laur@´s Poesias® / Todos os direitos reservados.
Editada em: 02/08/2003