Efêmeros momentos roubados ao cotidiano,
recantos do amor, em outras eras já vividos,
inebriados, cores e perfumes, nossos sentidos,
resgatam-nos dos vórtices do intemporal mundano.

Doces labaredas, lânguidas e ondulantes,
encontram seu caminho nas peles revolvidas,
por eriçastes ondas de elétrons coriscantes.

Sons tocam-nos o rosto, outros tantos carinhos,
que à tê-los prolongados, sequer nos recordamos
do tanto que estivemos, antes, tão sozinhos.

Do ser abrimos mão, pelo estar tão simplesmente,
ao alcance de um beijo ou toque, ainda que fugaz,
de alguém que nos fez falta, de um modo diferente,
e a quem o ter por perto, tão somente, satisfaz.

Mas logo rugem vento, água e tempestade,
arrastam-nos com alma e corpo em torvelinho,
voltamos à rotina, isolados em nossa liberdade,
até um novo encontro, nas asas do destino.


Golden

(Poesia exclusiva do site)









*Laur@`s Poesias

 

Voltar para Poesias 1

 


Envie esta Página para um Amigo(a)!
Clique na imagem abaixo.




Get a MIDI Plug-in


Webmaster & Design by Iraima Bagni / Imagem: WebShots
 Copyright © 1999 *Laur@´s Poesias®. / Todos os direitos reservados.

Editada em: 02/02/2000