Valdez



A noite surge... lenta, mansamente...
Vem dedilhando liras de saudade,
Cantando a vida breve, a brevidade
Do amor, do amor fugaz, impermanente...

Quedo-me lasso, frouxo, molemente,
Sem esboçar qualquer atividade;
O pensamento ao léu, na imensidade,
Enquanto a noite flui, suavemente...

E vou tecendo rimas regulares,
Velhos refrões soltando pelos ares...;
Cantando a noite triste, o himeneu

Das minhas horas lânguidas, confusas...
Florais de sombras, nebulosas musas
Carpindo um amor que tive e que morreu...

(Repasse com os devidos créditos)

 








*Laur@´s Poesias


Voltar para Poesias 1





Envie esta Página para um Amigo(a)!
Clique na imagem abaixo.

 


Get a MIDI Plug-in

Revisão de Texto: IZA / Imagem : "PrintArtist Premium"
Webmaster & Design by Iraima Bagni Copyright © 1999 *Laur@´s Poesias®. / Todos os direitos reservados.

Página editada em: 04/03/2001