Emerson Moreira   

Não adianta tentar me enxergar.
Sou invisível. Sensível. Me enxergo.
Só. Distante. Imperceptível. 
Sou só um sonho. Meu. Único. Indivisível.
Sem realidade, por mais deslumbrante
Que seja a realidade.
Nada tem significado, quando a vida
Está por um fio.

O meu desafio o tempo todo
É desafiar o meu ser a procura de ser
Nenhum momento significa tanto
Do que o momento do encontro

Da busca de mim mesmo enquanto ser.
Crucifixo-me a mim mesmo
Reencarno-me naquilo que queria ser 
Enxergo a mim, e a meus fantasmas
Vivo livre mas sem ser.
Angustio-me .

 









Voltar para Poesias 1


Gostou desta página?
Recomende para um Amigo(a).


Get a MIDI Plug-in

 


Revisão de Texto: Iza / Imagem: WebShots /
 Webmaster & Design by Iraima Bagni/ Copyright © 1999 *Laur@´s Poesias®./Todos os direitos reservados.
Página editada em: 11/02/2001