Mãos Esquecidas

Luis Lêdo Motta Mello
 


Vejam como é liso o cabo da enxada,
rabiscando a sinfonia da fartura!...
Inelegível, simplória... e com bravura
torna a obra, com suor, genializada(...)

Grande maestro e pobre criatura,
quando a batuta na mão tão calejada,
faz o compasso na terra semeada
regendo, rude, a eterna partitura(...)

No esquecimento distante das invernadas
tocam sonoras as mãos abençoadas
o progresso elementar do seu labor.

Por tantas mãos, que as mãos tão delicadas,
benditas as mãos que empunham as enxadas.
Benditas sejam as mãos do lavrador!

(Repasse com os devidos créditos)
 


 



|:| Home |:| Poesias da Lêda |:| Poesias de Luis Lêdo |:|



Envie esta Página para um Amigo(a)!
Clique na imagem abaixo.
CLIQUE PARA RECOMENDAR ESTA PÁGINA!

 

Get a MIDI Plug-in

Créditos: Imagem Digital Lêda Yara


 |:| Poeta Parceiro |:|
 


Editada em: 29/02/2004