Luis Lêdo Motta Mello



Ninguém me espera, à noite, na chegada.
Somente a solidão do quarto frio,
A nequícia da noite, e esse vazio
Que vara os confins da madrugada.

Na rede deito a vida tão cansada.
Escuto o murmurar que vem do rio;
Às vezes sopra o vento no estio,
Às vezes cai a chuva na estrada.

A noite passa demoradamente.
Então me chega no umbral da frente
Outra manhã de solidão, coberta;

Que já me encontra a esperar por ela
E invade a casa como dona dela,
Pois minha casa sempre está aberta...


(Repasse com os devidos créditos)




|:| Home |:| Poesias da Lêda |:| Poesias de Luis Lêdo |:|



Envie esta Página para um Amigo(a)!
Clique na imagem abaixo.
CLIQUE PARA RECOMENDAR ESTA PÁGINA!


Get a MIDI Plug-in

Sobreposição de Imagens: Fotopolis e WebShots

|| Poeta Parceiro ||


Editada em:15/03/2003