(Olavo Bilac)
1865 - 1918

Nua, mas para o amor
não cabe o pejo
Na minha a sua boca
eu comprimia.
E, em frêmitos
carnais, ela dizia:
– Mais abaixo, meu
bem, quero o teu beijo!

Na inconsciência
bruta do meu desejo
Fremente, a minha
boca obedecia,
E os seus seios,
tão rígidos mordia,
Fazendo-a arrepiar
em doce arpejo.

Em suspiros de
gozos infinitos
Disse-me ela, ainda
quase em grito:
– Mais abaixo, meu
bem! – num frenesi.

No seu ventre
pousei a minha boca,
– Mais abaixo, meu
bem! – disse ela, louca,
Moralistas,
perdoai! Obedeci...

(Repasse com os devidos créditos)
 







*Laur@´s Poesias




Voltar para Poesias Eróticas 1


|| Home Page || Menu Principal || Menu das Poesias ||






Gostou desta Página?
Recomende para um Amigo!
CLIQUE NA IMAGEM PARA RECOMENDAR A PÁGINA!

 

 

Get a MIDI Plug-in


Imagem: Free site Erótico /Webmaster & Design by Iraima Bagni / 
Copyright © 1999 *Laur@´s Poesias®. Todos os direitos reservados.
Editada em: 15/07/2000