Lia de Oliveira®


Vem, amor,
sentir meus cheiros
Vem amor, vou te guiar
Vem, que urge sermos ser cegos
Nessa arte de cheirar

Urge também
seres mudo
Se pretendes conhecer
A magia desse mundo
de fragrâncias e prazer

Então vem,
cerra teus olhos,
e começa a te embrenhar
pelos fios dos meus cabelos
como um gato a explorar...

descobrindo
em cada fio,
um mistério diferente
que se esconde e se revela
numa emanação ardente

Docemente,
docemente
pelas minhas costas desça
que esse inebriante aroma
te invade dos pés à cabeça

é um cheiro
de alecrim
de mato, de terra molhada
que aspiras com volúpia
me deixando arrepiada

Teu hálito
em minha cintura
como uma brisa caliente
faz que eu gire e me enrosque
em ti como uma serpente

Deita-me
Então com doçura
Mas não te deixes atar
Pois é nos meus pés agora
Que deves te concentrar

Calma 
e vagarosamente
pelas minhas pernas siga
Sinta uma, ora outra,
Esse aroma que te intriga

É um aroma
que te envolve
- como teia, como laço -
É exótico, excitante
esse cheiro de mormaço

Denuncia
esse perfume
o endereço da ventura
É a chave que abre a porta
por onde entra a loucura

E diante
desse cheiro
de mato, de maresia
estremeces de prazer,
em êxtase, em agonia

e pela
única vez
nessa peregrinação,
deves tocar-me com um beijo
que sele a nossa união

Sei que queres
- eu também quero -
fazer nesse porto morada
mas outras essências te esperam
nessa tua caminhada

Adiante
existe um prado
de onde emana calmaria
descansa, amor, em meu ventre
que é sombra e relva macia

O umbigo
é como um lago,
onde um narciso encantado
exala um intenso aroma
que te deixa enfeitiçado

Continue
até meu colo,
como quem margeia um riacho
Os seios - ah! Os seios têm cheiro
de doce de leite no tacho

Mas apenas
aspire fundo
- não ceda a essa tua fome -
sinta a sutil diferença
desses gêmeos de um só nome

Meu corpo
é como um rio
não esqueça, pois, os braços
por onde circula a seiva
do mais perfumado abraço

No pescoço,
que gostoso!
é sentir o teu fungar
Sei que estás embriagado
Mas tens que continuar

Minha face
tem um cheiro
de fruta doce e madura 
que te dá água na boca 
mas te enche de ternura

o nariz
inspira desejo
o nariz expira tesão
os lábios liberam partículas
de refinada paixão

Chegastes,
enfim, às janelas
da minha alma sedenta
e duas lágrimas brotam
dessa fonte de água benta

Abre teus olhos,
alquimista
e te deixa iluminar
por essa luz, esse brilho
que acendestes
em meu olhar

(Repasse com os devidos créditos)



 





*Laur@´s Poesias



Voltar para Poesias Eróticas 1


|| Home Page || Menu Principal || Menu das Poesias ||






Gostou desta Página?
Recomende para um Amigo!
CLIQUE NA IMAGEM PARA RECOMENDAR A PÁGINA!

 

Get a MIDI Plug-in


Revisão de Texto: IZA /Imagens Free de site Erótico/Webmaster & Design Iraima Bagni
Copyright © 1999 / *Laur@´s Poesias®. Todos os direitos reservados.
Editada em:13/09/2001